Carandaí

 

Solicite a manutenção da iluminação pública para Carandaí



Gentílico

Caranadaiense  

População estimada 2014

24.864  

Área da unidade territorial (km²)

485,733  

Densidade demográfica (hab/km²)

48,06  

Histórico

As primeiras sesmarias doadas na região que atualmente conforma o município de Carandaí datam, pois, da segunda década do séc. XVIII, estendendo-se, de forma contínua, durante todo o período colonial. Tal fato é demonstrado pela constância das sesmarias solicitadas e/ou recebidas ao longo do séc. XVIII.
A Capela de Ressaca foi erigida, pois, como conseqüência da doação de terras para formação do patrimônio religioso, sob a devoção de Nossa Senhora da Glória. Tornou-se possível, a partir de então, o parcelamento das áreas rurais eclesiásticas em lotes urbanos que, aforados, deram origem à construção das primeiras casas e a formação de um povoado. As primeiras casas pertenciam, geralmente, a fazendeiros ou comerciantes ricos.
A provisão ordinária de 7 de janeiro de 1736, que autorizou a construção da Capela de Nossa Senhora da Glória, representa, portanto, a gênese da ocupação urbana em Ressaca. O povoado recém-criado pertenceu, de início, à freguesia dos Prados, termo da Vila de São José del Rei (atual Tiradentes).
O primeiro pároco e talvez mentor das obras de construção foi o Padre Antônio Martins de Moura, que assumiu em outubro de 1741, tendo como ajudante o vigário João Carvalho de Abreu. Como dito antes, Padre Antônio tornou-se proprietário de terras na região de Ressaca, portanto beneficiário direto de um possível processo de urbanização da região.
O povoado da Ressaca surgiu, portanto, não como conseqüência da descoberta de ouro aluvional, mas como infra-estrutura necessária para as atividades agrícolas dos fazendeiros, para as atividades comerciais, de hospedagem e realização de serviços, e ainda para facilitar as atividades fiscalizadoras da Coroa portuguesa. 
Em 1771, foi nomeado capelão o padre Antônio da Silva e Santos, filho de Domingos da Silva Santos e Antônia da Encarnação Xavier. Nascido em 1745, Antônio era irmão mais velho de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. Antônio estudou em Mariana e ordenou-se padre, sendo seu primeiro cargo justamente o de capelão do distrito de Ressaca da freguesia de Prados, tendo permanecido no cargo até 1789, ano da Inconfidência Mineira. Retirou-se então da vida religiosa, recolhendo-se a uma das freguesias da Vila de Barbacena, onde veio a falecer em 1805.
Ficaram registrados, entre os habitantes de Ressaca no séc. XIX, aqueles que deixaram testamento, significando que possuíam bens de raiz:
Capitão Francisco Gonçalves de Araújo, falecido em 1837, proprietário da Fazenda da Ressaca; Coronel Manoel da Costa Maia, falecido em 1886. Capitão Patrício José da Silva Moura, falecido em 1853 e seu filho Patrício José da Silva Moura, falecido em 1908.Angélica Maria Theresa, falecida em 1850, que teve como testamenteiro Julião José da Silva. Joaquim Vaz da Silva, falecido em 1850, e sua testamenteira Esméria Antônia de Jesus. José da Silva e Oliveira, falecido em 1855. José Martins Ramos, falecido em 1846, morador na Fazenda da Ressaca.

A ESTRADA DE FERRO D. Pedro II e a fundação de Carandaí:
O quartel final do séc. XIX reservaria mudanças significativas para a região Sul de Minas, mudanças que chegariam com a velocidade do trem-de-ferro. Sabendo do projeto imperial de construção da Ferrovia que ligaria Ouro Preto ao Rio de Janeiro, Francisco Rodrigues Pereira de Queirós, o Barão de Santa Cecília, sabiamente adquiriu terras na região onde seria instalada uma estação da E.F. D. Pedro II. O primeiro trecho da Estrada de Ferro fora inaugurado em 1858 e, a partir de então, a malha férrea se estendeu rumo ao interior de Minas Gerais, sobreposta ao trajeto do ?Caminho Novo? dos tropeiros. A linha férrea atingiu Juiz de Fora em 1875 e Barbacena em 1880; chegaria a Ressaquinha em 1881 e a Carandai em 1882.
Talvez seja esse o motivo da elevação de Ressaca à categoria de Freguesia, pela Lei Provincial 1.887 de 15 de julho de 1872, com o nome de Santana da Ressaca ? resultando na mudança da titularidade da padroeira. Quatro anos mais tarde, enfim, transferiu-se a sede da Freguesia para o local adquirido pelo Barão de Santa Cecília, que recebia o nome indígena Carandahy, onde estava sendo construída uma nova Igreja e alguns sobrados, ponto de partida para a povoação da nova cidade, que de resto quedaria ligada ao povoado da Ressaca por um trecho da antiga Estrada Real. A Freguesia recém-criada passou a se chamar Santana de Carandaí, conforme Lei Provincial 2.325 de 12 de julho de 1876, pertencente à Vila de Barbacena. Ali seria inaugurada, a 28 de outubro de 1881, a Estação da E.F. Pedro II.
Segundo a tradição oral, os primeiros moradores de Carandaí foram o capitão Severino de Moura e Silva, Antônio Patrício de Moura e Cândido Saraiva Nogueira, além do Barão de Santa Cecília.
Consta nos Arquivos da Cúria de Mariana a ?certidão de aforamentos de terras patrimoniais? de Carandahy, ?concedidas a Francisco José Duarte, Antônio Marques Rollo, Domingos José Martins, Antônio Leão Saint Ives, Maria Candida de Oliveira, Gustavo Coelho da Cunha e José Valente Filho? entre 1891 e 1893.
No Boletim Eclesiástico da Diocese de Mariana de julho de 1904, a Paróquia de S. Anna, em Carandahy, já aparece como Paróquia de Segunda Classe, recebendo 300$ (trezentos réis) da Diocese para sua manutenção.
As obras do ramal ferroviário que deveria chegar a Ouro Preto estiveram paradas entre 1881 e 1889, enquanto se construía um pontilhão sobre o Rio Carandaí. O povoado recém-criado tornou-se, assim, o ponto final do ramal, o que trouxe uma grande dinâmica econômica e um grande impulso para o seu crescimento.
Todas essas novidades contribuíram para o esvaziamento de Ressaca, cuja capela foi esquecida e abandonada por muitos, mas não todos. Após a transferência da sede da Freguesia para Carandaí, Ressaca voltou a ser mero Distrito, e sua devoção a Nossa Senhora da Glória permaneceu intocada. No Almanaque Municipal de Barbacena para 1898 consta a notícia de que, em Ressaca, havia ?uma antiga igreja construída de pedra e ainda em regular estado de conservação, graças especialmente à dedicação da Família Patrício?.
Por outro lado, a chegada da linha férrea colocou Carandaí na rota do crescimento econômico e da industrialização, características marcantes do séc. XX em Minas Gerais. Como dito antes, a Estação de Carandaí foi inaugurada em 1881. Em 1950 é inaugurada a variante entre as estações de Barbacena e Carandaí, via Simão Tamm, já que o traçado original via Ressaquinha era muito sinuoso e de rampas fortes. A estação de Carandaí mudou então de lugar ? não para muito longe ? e o atual prédio da estação foi construído.

Formação Administrativa

A Lei 843 de 7 de setembro de 1923 elevou a Freguesia a Município, com o nome de Carandaí, território desmembrado dos Municípios de Barbacena e Conselheiro Lafaiete. Em 27 de abril de 1924, foi efetivamente instalado o Município. Em 10 de setembro de 1925, a Lei N°893 concedeu a Carandaí foros de cidade.
O primeiro prefeito foi o Dr. Rubem do Vale Amado, que exerceu o mandato de abril de 1924 a maio de 1927, iniciando o governo das oligarquias locais ? as famílias Rodrigues Pereira e Pereira Baeta.
A Comarca de Carandaí foi criada pelo Artigo 25 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias de Minas Gerais promulgado em 14-07-1947.

Fonte

IBGE

 

show center c10 normalcase fwB tsY|left tsN fwR uppercase b01s bdt|left fwR fsN normalcase show tsY|bnull||image-wrap|news login normalcase c05|fsN b01 bsd fwR c05 normalcase|b01 bsd normalcase c05|news login c05 normalcase|tsN fwR b01 bsd normalcase c05|b01 c05 normalcase bsd|content-inner||